Caparaó integrado MG / ES

Do alto do pico - Bel Diniz

Do alto do pico – Bel Diniz

O Parque Nacional do Caparaó, com seus 31 mil hectares, possui diversos atrativos como cachoeiras, mirantes e vales, além dos picos do Cristal, Calçado e o Pico da Bandeira, terceiro cume mais alto do país com 2890 metros de altitude.

Cachoeira - Julia Clatt

Cachoeira – Julia Clatt

O parque possui boa infraestrutura e recebe cerca de 40 mil visitantes por ano, sendo uma das Unidades de Conservação mais visitadas do país e conseguindo manter um ambiente de primeira importância para a prática ecoturística.
A divisa entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo passa pelo PARNA Caparaó, nos proporcionando duas portarias para acesso ao parque e, consequentemente, duas trilhas diferentes para se realizar a tão desejada subida ao Pico da Bandeira.

Seminário - Bruno Vieira

Seminário – Bruno Vieira

O turista tem a opção da travessia da Serra do Caparaó, podendo começar a trilha em qualquer um dos lados e terminando no outro. A contemplação ao longo das trilhas mineira e capixaba nos faz enxergar a riqueza e importância do parque e de sua preservação ambiental. Inúmeras nascentes de água cristalina que formam córregos e riachos combinam com a predominante Mata Atlântica.

Café na fazenda - Bruno Vieira

Café na fazenda – Bruno Vieira

Para conhecer o entorno da serra e aproveitar dos prazeres e aventuras que a região oferece, recomendamos um mínimo de cinco dias disponíveis para desfrute. Charmosas pousadas nos convidam à permanência, muitas com estilo rústico auxiliam na experiência e harmonia com a natureza e o meio rural, além da gastronomia onde não faltam produtos naturais, frutas sem agrotóxico e o saboroso café artesanal.

Vista da janela - Bruno Vieira

Vista da janela – Bruno Vieira

Cafeicultura e turismo são as mais importantes atividades econômicas da região e, agregando as duas práticas, tornou-se possível fazer uma visita guiada à fazendas ou pousadas para conhecer uma produção de café e todo o processo de plantio, colheita e preparação até a mesa, aproveitando para um reforçado café da manhã.
Para passar o dia, o Parque Cachoeira das Andorinhas ganha destaque pela infraestrutura com restaurante, piscinas naturais, áreas para churrasco e trilhas que também dividem os dois estados.

Caminho da trilha - Julia Clatt

Caminho da trilha – Julia Clatt

Outra sugestão é a visita a uma RPPN (Reserva Particular de Patrimônio Natural) com belas cachoeiras e opção de hospedagem em meio à rica fauna e flora. Perto dali, em outra pousada, pode-se acompanhar e participar da oficina de papel recriado.

Vale Verde- Bruno Vieira

Vale Verde- Bruno Vieira

Muitas são as possibilidades de roteiros e passeios opcionais: River trekking, passeios de bike, muitas trilhas e mirantes, visita à comunidades, rodas de viola, um pesque-e-pague com restaurante e criação de trutas, turismo rural e até turismo religioso.
O seminário apostólico de Manhumirim é parada obrigatória para o turismo religioso, que também se faz presente nas igrejas, histórias e festas populares.

Tecnotruta - Bruno Vieira

Tecnotruta – Bruno Vieira

E quando a religião dá espaço ao misticismo, os moradores locais com toda sua hospitalidade, interagem com os turistas através de contos, lendas e historias da vida no campo.
A eventual ausência de sinal telefônico e a distancia com internet e televisão vira luxo e não faz falta, dá lugar ao ar puro e o clima agradável do Caparaó, às conversas ao ar livre e o privilégio de beber água direto de nascentes, sem copo. Minas e Espírito Santo dividem um tesouro natural com estrutura e hospitalidade, pronto para receber.

Texto: Bruno Vieira

Anúncios